VER A NOSSA HISTÓRIA
(Clica na imagem)

sábado, 23 de agosto de 2008

S. Pedro do Sul

Caros amigos e colegas, realizou-se mais um passeio de BTT, em S. Pedro do Sul.

A comitiva vinda do Porto, chegou à Vila de S. Pedro do Sul, por volta das 08H30, do dia 23 de Agosto de 2008, estando um dia esplêndido, para a prática do BTT, sendo por mim recepcionados, junto da piscina e pavilhão municipal da referida Vila.

Como necessitava-mos de energia, dirigimo-nos à Pastelaria “Lafopão”, onde tomámos o pequeno almoço.

De barriga cheia, deslocámo-nos nas viaturas para o monte “São Macário”.

No topo deste monte e já equipados a rigor, tiramos a fotografia ao grupo, onde contrariamente ao ano transacto, em que iniciamos o percurso na base, subindo ao topo da Serra da Arada, freguesia de Carvalhais, desta vez começamos pelo cimo da montanha (S. Macário), junto da capela, para podermos desfrutar da paisagem do excelente dia e para que toda a gente chegasse ao fim.

Iniciado o percurso, percorremos um trilho, passando junto de um parque eólico, de onde era visível uma enorme cordilheira, paisagem esta fabulosa e única, acompanhados à distância pelo carro de apoio, tripulado pelos amigos e inseparáveis, Mendes e Narciso, que circulavam no asfalto.

Após percorridos alguns quilómetros, quando circulava-mos no alcatrão, ainda em plena montanha, ocorreu o primeiro incidente, o Lamborghini do Amorim teve um furo (já vinha a ameaçar), pelo que teve de substituir a câmara-de-ar. Para que não bastasse e tornando esta paragem mais prolongada, e devido à especial adoração de figos por parte do Pinto, este teve uma crise intestinal, vindo a defecar por duas vezes, limpando-se não se sabe bem a quê, tendo este extraordinário acontecimento sido registado pelo fotografo de serviço, Comandante Organista.

Mais à frente e como já é da praxe, para estas paragens, subimos um monte de grande inclinação com a bike à mão, foram cerca de 150 metros, nada teve a ver com os cerca de 4 quilómetros, do passeio realizado no passado ano, na Serra da Arada.

Chegados ao topo do monte, lá nos esperava o carro de apoio, não havendo no entanto necessidade de prestar qualquer auxílio físico, foi só apoio moral, principalmente ao Pinto, que ainda não havia recuperado totalmente da Víscera tubular.

Seguidamente iniciamos uma longa descida, sendo visível um enorme pinhal, com inúmeras curvas, onde os mais audazes conseguiram ultrapassar os sessenta quilómetros horários.

Uns quilómetros mais à frente e após a louca descida, entramos num trilho no interior de um pinhal, com destino a uma aldeia abandonada, atravessada por um riacho e com uma vegetação bastante densa.

A seguir à passagem pela referida aldeia, iniciamos mais uma daquelas subidas, das quais todos adoram.

Mais à frente o Jorge Almeida, quis ir conhecer as Ruínas Arqueológicas “Cárcoda”, por nós visitada no ano transacto, mas como a maioria já conhecia as referidas ruínas, seguiram todos em direcção ao Parque Florestal do Pisão (ponto de encontro com o carro de apoio), tendo eu seguido no encalço do Jorge, visto que o mesmo não conhecia o local.

Depois da nossa visita a Cárcoda, seguimos para o Pisão, local onde abastecemos de água e tiramos mais algumas fotos junto dos moinhos.

Neste sitio e por solidariedade com o Amorim o Jaguar do Trepador, teve um furo (Também já vinha a ameaçar), mudando a respectiva câmara-de-ar.

Incidente resolvido, seguimos em direcção à Vila de São Pedro do Sul, onde chegamos por volta das 13H00 e tomámos o merecido banho, nos balneários da Piscina Municipal, que nos foram gentilmente cedidos pela Câmara.

Banho tomado, fomos almoçar à Adega do Ti Joaquim, onde devoramos a tradicional vitela de Lafões, acompanhada por um delicioso vinho do Dão. Posteriormente fomos fazer a digestão pelas Termas de S. Pedro do Sul, onde podemos tocar na água muito quente, a qual exalava um forte cheiro a enxofre, sendo a mesma de origem vulcânica. Visitamos ainda o museu do Balneário Termal, designado por “Rainha D. Amélia”.

Mais um passeio foi realizado na terra dos meus pais, pelo que tive um grande prazer em vos receber, quando me encontrava no gozo das minhas férias. Agradeço a vossa vinda, só tenho pena que mais alguns amigos não tenham podido vir, e espero que para o próximo ano, se realize mais um passeio nesta linda região de Lafões, pois existem alguns percursos para conhecermos, tais como a antiga rede ferroviária do Vouga, da qual tive o prazer de conhecer uma parte do percurso, aquando das minhas férias na região.

Um abraço e até ao próximo passeio.

Domingos Presas
MAIS ALGUMAS FOTOS DO PASSEIO

domingo, 17 de agosto de 2008

2º BTT BP Gás Agrival – Clube BTT de Penafiel

Eram precisamente 06h20 quando saltei fora da cama para iniciar mais uma jornada de BTT. O Trilhos, que teve que fazer o turno da noite, pois não lhe concederam o “excesso” (cada um tem o que merece), lá passou na minha casa e rumamos em direcção à casa do Trepador.
Após montarmos as burras em cima do carro do Trepador, iniciamos a pequena viagem até Penafiel. Ao aproximarmo-nos da auto-estrada (A4), surgiu a primeira peripécia do dia. O Trepador, que devia estar muito entusiasmado com a prova que íamos realizar, passou a portagem com muita descontracção mas como eu ouvi um sinal sonoro vindo da referida portagem, perguntei-lhe se ele tinha o aparelho da “Via Verde”, ao que ele respondeu com uma travagem. Resumindo, tivemos que recuar cerca de 50 metros para se retirar o talão pois senão a viagem ia ficar um bocado mais cara.
Passados alguns minutos, lá chegamos a Penafiel e perante uma boa sinalização, facilmente encontramos o recinto da feira (Agrival), local este, onde teria início/fim a prova de BTT. Como chegamos bem cedo, fomos dos primeiros a levantar os dorsais, Trepador – 14, Trilhos – 15 e Saca Saca – 16, tendo-nos sido entregue também um saco com várias ofertas, destacando-se a t-shirt e as meias (estas sim, de uma cor fantástica!!!???).
Às 10h00, mais coisa menos coisa e após o padrinho do Trilhos (mais à frente já vão saber quem é) ter dito algumas palavras aos participantes, lá começou a prova. Primeiro foi efectuada uma breve passagem pelo centro da cidade, tendo depois entrado em zonas mais aliciantes, ou seja, mais montanhosas.
Depois de percorridos alguns quilómetros, chegamos à primeira zona de abastecimento (mais uma peripécia). Como eu vinha uns metros adiantado dos meus dois caros colegas e como não reparei que havia comidinha, pensando eu que só havia água, peguei numa garrafa e continuei o percurso. Passado algum tempo, eu bem olhava para trás, mas nada, não havia sinal de vida dos dois. Bem, pensei eu, como eles estão em boa forma (!?!?!?), depressa me apanham. O resultado final foi que eles terminaram a prova apenas 17 minutos depois de mim. Quando nos encontramos no local de chegada, tive que ouvir logo comentários tipo: “isso de ganhar vantagem nas zonas de abastecimento” ou “ ai se o Vitokourov estivesse aqui, tu ias ver”.
Depois de uma banhoca (que soube maravilhosamente bem, como sempre), fomos almoçar à cantina da Escola EB 2/3 D. António Ferreira Gomes e aí voltei a ouvir mais um comentário depreciativo relativamente à não paragem na zona de abastecimento, mais propriamente dito pelo Trilhos: “agora não vais tu embora!”. Neste local fomos contemplados com uma visita por parte do nosso caro colega Zé Ferreira (não estivéssemos nós numa escola!!!).
Cerca das 17H00 e após termos apanhado uma ligeira seca, surgiu o momento mais alto do dia. A organização da prova efectuou a entrega dos prémios aos vencedores e posteriormente um sorteio de duas bicicletas.

Para retirar a primeira senha foi chamado ao palco o Sr. vereador da Câmara Municipal de Penafiel, que tirou a senha n.º 15 (podia ter tirado a senha com o número seguinte, mas não), e o Trilhos que estava com uma moca de sono nem se apercebeu de imediato que era o número dele. (Agora já sabem quem é o padrinho do Trilhos!)

Com um acumulado de quase 1150 metros, estes 40 quilómetros foram relativamente durinhos. No entanto o percurso era muito interessante, com “single tracks” bem porreiros. De salientar a excelente sinalização no terreno, com placas e muitas fitas espalhadas pelo percurso bem como várias indicações no solo, estando a organização de parabéns.
É, sem dúvida, uma prova a participar novamente no próximo ano.

Pimenta Saca Saca

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

141º Aniversário do Comando Metropolitano do Porto da Polícia de Segurança Pública

Quarta-feira, dia 06 de Agosto de 2008 comemorou-se o 141º aniversário do Comando Metropolitano do Porto da Polícia de Segurança Pública, (em referência à criação a 6 Agosto de 1867 das Divisões, Esquadras e Secções da Polícia Civil para a cidade do Porto) com uma parada policial em Matosinhos, mais precisamente na Avenida General Norton de Matos, cerimónia presidida pelo Ministro da Administração interna - Dr. Rui Pereira.
Estive presente no local juntamente com o nosso amigo Pimenta, fazendo assim mais um treininho de bike e apreciando a cerimónia, agora do lado de fora claro – estas andanças são só para os “operacionais”….

Aqui ficam algumas imagens do evento e do simulacro de um incidente táctico-policial ( dois assaltantes de banco que são surpreendidos pelo Patrulheiro ao sair do referido estabelecimento, Patrulheiro esse malogrado operacional que é atingido no braço por um disparo de arma de fogo – só podia! – e estes procuram a fuga num autocarro da Resende, que é imobilizado pelo Carro Patrulha na dita Avenida, ditando o sequestro dos reféns e consequentes procedimentos tácticos).

Ps: gostei particularmente da chegada do helicóptero no incidente táctico – policial, o barulho e a pressão provocadas pelo helicóptero, são deveras impressionantes, facto que levantou uma tempestade de areia de grandes dimensões!!!

O Trepador

domingo, 3 de agosto de 2008

Serra de Valongo com chegada ao tasco de Couce

Depois de um passeio - reconhecimento feito na segunda-feira em Valongo , com o Sérgio e Tone e na presença do Trilhos, onde se pôde desfrutar de 30kms de estradas e trilhos, com subidas acentuadas, descidas rápidas – fiquei fã de uma que deve ter mais de 1 km e é feita sempre a abrir- e percursos muito técnicos com muita pedra solta, a convite do nosso amigo Sérgio, que já tinha ido pedalar de manhã para Nogueira ( deve andar a treinar para os Mundiais) – na ausência do chouriço do Tone que a esta hora tá a curtir umas raparigas na Suíça e teve que faltar aos treinos- e contando com a presença do famigerado atleta do Bike17 , Pimenta Saca Saca, que tinha faltado na Segunda, fomos novamente, Sábado 02 de Agosto, pelas 15H00, pedalar para a Serra de Valongo, com o intuito maior de fazer já um reconhecimento mais completo para um passeio que será organizado por estes nossos amigos e companheiros de aventuras, Sérgio e Tone, provavelmente no início de Outubro.

Desta vez, alteramos o percurso anterior e, em vez de ir até ao alto de Valongo pela estrada, saímos de minha casa e começamos logo a entrar na Serra em Alfena, levando logo aí com uma subida longa e técnica, até ao ponto mais alto, junto ao Meco, com piso irregular mas que dá para pedalar em ritmo constante mas que exige boa preparação física, o que se aplica desde já ao resto do percurso. Daí seguimos sempre pela Serra até entrarmos na estrada principal em Valongo e continuamos até às bombas da Esso, local onde nos embrenhamos novamente nos trilhos, subindo até à Capela e logo a seguir ao Sanatório. Daí em diante é quase sempre a descer, com umas subiditas no meio, com partes do percurso muito técnica devido às pedras soltas mas que dão muita adrenalina.

Chegando já a uma estrada em paralelo e junto ao Rio Ferreira, na zona de Couce, seguimos em direcção a um tasco conhecido do Sérgio e do Tone – só podia! tasco esse que fica num antigo moinho junto ao rio e que só labora ao fim de semana, servindo petiscos e almoços – cabidela, bacalhau, etc – e umas cucas e granadas de verde e maduro, que dá para manter sempre fresquinho, é só mergulhar nas águas do rio, técnica já assimilada por nossos dois amigos. Temos mesas junto ao rio e debaixo das ramadas, o que em dia de calor, e hoje estava bastante, sabe que nem ginjas. Lá tivemos nós que fazer um esforço e ter que deitar abaixo uma caneca de cerveja traçada e uma punheta de bacalhau, acompanhada de broa e azeitonas – nesta altura lembramo-nos logo do Manel, não sei porquê!!! Ainda pensei em lhe ligar para lhe dar conta da ementa mas ali no meio do poço não há rede de Tlm que aguente, que o diga o Pimenta.

De barriga cheia, lá tivemos que nos sacrificar e pegar novamente nas burras para completar o resto do percurso, que implica chegar em estrada até Campo - Valongo, sem antes levar com uma subida de 300 metros de categoria especial logo após o Tasco!!! Posto isto, descemos pela estrada em direcção a Alfena e chegamos a minha casa pelas 19H20, o que deu cerca de 36 kms, bem puxadinhos. Aí e em jeito de desabafo, o Pimenta disse e passo a citar: “tenho de treinar mais para Penafiel senão tou lixado”, o que denota desde já um certo espírito guerreiro e de sacrifício mas também alguns sinais de carunchismo que se vem acumulando no pelotão do bike17 .

O Sérgio e o Tone ainda terão que limar algumas arestas sobre este passeio, local de saída = local de chegada? almoço ou não no tasco em Couce, possibilidade de banhos ou não, kms, etc… e este terá alguma dificuldade física mas nada que meta medo aos atletas do Bike17eco. Valerá bem a pena participar neste 1º passeio organizado por estes nossos dois amigos de andanças.
Ps: a qualidade das fotos poderá deixar a desejar mas foram tiradas por um telemóvel, embora se destaque a qualidade dos atletas intervenientes.
O Trepador